Marquinhos (Pegadinhas)

O mensageiro da Morte e a Noiva Morta

Adicionado em 24 de julho de 2020.
O mensageiro da Morte e a Noiva Morta

Temos aqui duas pegadinhas mórbidas do programa antigo e clássico do João Kleber estreando o saudoso Marquinhos: o Mensageiro da Morte e a Noiva Morta…

Pegadinha da doação de órgãos [João Kleber]

Adicionado em 23 de julho de 2020.
Pegadinha da doação de órgãos [João Kleber]

Nesta pegadinha do João Kleber, o Marquinhos está convidando os pedestres para participar de uma campanha de doação de órgãos… Só o médico quer levar prontamente o transeunte para retirar os órgãos imediatamente!

Mendigo sacaneia pedestres em pegadinha do João Kleber

Adicionado em 30 de junho de 2020.
Mendigo sacaneia pedestres em pegadinha do João Kleber

Mendigo sacaneia pedestres em uma das pegadinhas antológicas do João Kleber. Acho que é uma das que não eram combinadas… Você vai ver uma hora em que o cara dá um vacilo que certamente não foi por querer!

Duas pegadinhas do cego maluco [João Kleber]

Adicionado em 19 de junho de 2020.
Duas pegadinhas do cego maluco [João Kleber]

Temos aqui duas pegadinhas antológicas do programa antigo do João Kleber, a do Cego Maluco e a do Cego no Banheiro, as duas com o finado e saudoso Marquinhos!

Diversos tipos de piranha

Adicionado em 10 de junho de 2020.
Diversos tipos de piranha

Diversos tipos de piranha é, na minha opinião, a pegadinha mais engraçada do João Kleber. Nela, o Marquinhos está vendendo bijuteria na rua e, quando passa alguma mulher, ele fala, ‘é colar, é pulseira e é piranha’. Imagine a situação.

Peidando no João Kleber

Adicionado em 29 de maio de 2020.
Peidando no João Kleber

Duas pegadinhas de peido do finado programa do João Kleber: A primeira é o Renê peidando sentado do lado de algum transeunte. Na segunda, o Marquinhos pede pra um cara segurar a escada, daí dá uma punzada no coitado.

Isso é um assalto!

Adicionado em 27 de maio de 2020.
Isso é um assalto!

Essa pegadinha do assalto é uma das que eu mais passava mal de rir… O Marquinhos chegava de supetão, gritando que é assalto. Daí, tirava do bolso um jornal e falava que era o preço do feijão, do arroz etc.